terça-feira, março 13, 2007

O Medo de um amor incerto...

Se existem verdades absolutas neste mundo, uma delas é que todos nós temos medo de sofrer. Assim, ingenuamente tentamos controlar as situações em nosso redor, como se isso fosse possível... Obcecados por esse desejo de nos proteger, gastamos a nossa energia e o nosso tempo a tentar controlar os pensamentos, as atitudes e até os sentimentos das pessoas que amamos e que, sobretudo, desejamos que nos amem.

No entanto, não nos damos conta de que a vida se baseia no imprevisível, no incontrolável, no surpreendente! Nenhum sentimento é garantido, nenhuma consequência é revelada antecipadamente. O futuro é totalmente incerto.

E apesar de tamanha imprevisibilidade, temos no nosso coração toda a possibilidade de conquistarmos o que e quem amamos, o que é muito diferente de controlar, prever ou obter garantias! Muitas pessoas não conseguem encontrar um amor, não se entregam a uma relação profunda e verdadeira simplesmente porque estão, o tempo todo, a tentar obter certezas.

As perguntas não param de gritar, as dúvidas não têm fim e o medo de se deparar com a dor parece assombrar milhares de corações, impedindo-os de observar uma outra possibilidade, tão plausível quanto a de sofrer. Será que ele me ama? Será que vale a pena perdoar e tentar de novo? Será que ele não vai me trair? Será que não estou a ser idiota? Será que não vou sofrer mais do que se ficar sozinho? Será? Será?...

O que será, eu responderia com muita tranquilidade, não importa agora! Na verdade, nunca importará! A pergunta correta é: “Eu quero?” Quando aprendermos a responder, com respeito e responsabilidade, essa simples perguntinha, teremos previsto qualquer possibilidade.

Sim, porque o amor é uma chance, uma oportunidade; não é uma garantia; nunca é uma certeza! Podemos vive-lo conforme a nossa vontade, de acordo com nosso coração ou... passaremos a vida inteira a tentar controlar o incontrolável, garantir o incerto!

Jamais teremos como saber se o outro está a ser fiel, se o amor que sentimos é correspondido na mesma medida, se vamos sofrer ou seremos felizes. Jamais saberemos do amanhã ou do outro.

Então, que usemos a nossa inteligência, a despeito de todo o medo que isso possa nos fazer sentir. Ou seja, que possamos, de uma vez por todas, abrir mão dessa tentativa inútil de controlar o amor, a vida e o outro e nos concentremos em nós, no nosso coração e nos nossos reais objetivos! Descobriremos que ocupar-nos com nossos próprios sentimentos já é trabalho para vida inteira. Descobriremos que agir conforme nossa vontade é o bastante para que nos sintamos preenchidos, embora possamos mesmo vir a sofrer... simplesmente porque o sofrimento é uma possibilidade tão possível quanto a felicidade!

E digo mais: só conseguiremos entrar de facto no coração de alguém, mesmo sem termos certeza disso, quando tivermos a audácia e a coragem de nos entregar ao imprevisível; quando conseguirmos compreender que a segurança é mérito pessoal, interno, sentimento que não se pode ter em relação a ninguém além de nós mesmos.

Portanto, para todas as pessoas que me têm perguntado sobre qual é o “segredo” para viver o amor sem sentir tanta insegurança, tanto ciúme e tanto medo de sofrer, aproveito este momento para responder: o segredo está em saber se queremos, se realmente queremos! Porque se tu não quiseres e fizeres por merecer, agindo tu com sinceridade, qualquer possibilidade de dor e sofrimento valerá a pena.

Porque quando a gente quer de verdade, com o coração, a magia do amor faz-nos entender que sofrer faz parte do caminho e, no final das contas, é tudo crescimento, aprendizagem, evolução e, por fim, a tão desejada felicidade.

E não que ela esteja no final do caminho ou no final da vida, simplesmente porque ser feliz é isso: entregar-se ao imprevisível e aceitar a dor e a alegria como partes do amor! E quando penso que essa entrega é realmente difícil, lembro-me de uma frase que gosto muito: "Se o teu problema tem solução, relaxa... ele tem solução. E se o teu problema não tem solução, relaxa... ele não tem solução!" É uma frase engraçada, mas muitíssimo sábia. Portanto, quando estiver a doer muito, não resistas! Simplesmente relaxa e aceita, pois a resposta virá!

5 comentários:

Darkann disse...

foi este o primeiro texto que li no teu blog... apaixonei-me!! :) fiquei de tal maneira colada ao que escreveste que 'passei a publicidade' no meu...
aqui tens um optimo canto de visita, e tenho cá voltado com alguma assiduidade (só que das outras vezes nunca consegui comentar!)

parabéns and keep on \m/

Mael disse...

Num blog de teatro, este teu texto salta à vista por invulgar. Mas sim. Não sejas preguiçoso, pára de acampar no café concerto (que o café nem é nada de jeito) e escreve mais.

Tomás Silva disse...

Como sempre, gostei do que li. E embora já não seja novidade, ainda me surprendes. Pensamento adulto, inteligente, frontal.
Um abraço...

Anónimo disse...

Já dizia Buda, que o caminho para a felicidade esta em tentarmos livrar-nos da frustração, que é o caminho que vai entre as nossas expectativas e dor de elas não se concretizarem...

Viver, dia após dia, com um sorriso nos lábios e disponivel para amar e ser amado!

Obrigada

Castor Polar disse...

Brilhante